Crítica e resumo do filme About My Father (2023)

author
2 minutes, 59 seconds Read


O comediante Sebastian Maniscalco, co-roteirista e estrela de “About My Father”, adora tanto que construiu um filme em torno dele. Dirigido por Laura Terruso, “About My Father” quer ser outro “My Big Fat Greek Wedding”, e há tão poucos filmes como esse nos cinemas que pode se tornar um sucesso, apesar de críticas como esta.

Narrado dentro de uma polegada de sua vida, e desejando que o público acredite que um ítalo-americano se casando com uma família WASP representaria um cenário culturalmente carregado com alto potencial de fracasso em 2023, o filme varia de medíocre a indolor com momentos ocasionais de charme. Mas não há como negar que ele aperta alguns dos mesmos botões que ajudaram a transformar os filmes “Fockers”, estrelados por De Niro como outro patriarca emocionalmente constipado, em gigantescos sucessos de bilheteria. Desde as fotos de reação “Não acredito que essa pessoa acabou de dizer isso” até os momentos obrigatórios de pastelão exagerado, “Sobre meu pai” preenche todos os requisitos. O resultado fica em algum lugar entre os filmes “Casamento Grego” e “Vovô Sujo” de De Niro, embora sempre pare de fazer algo genuinamente provocativo ou perturbador.

O personagem de Maniscalco é um atraente homem de meia-idade chamado Sebastian, cujo pai, Salvo (De Niro), um cabeleireiro viúvo, guarda a aliança de casamento de sua falecida esposa até que ele possa verificar a família com a qual seu filho decide se casar. Chega o momento em que ele se apaixona por Ellie (Leslie Bibb), que, como Sebastian, está no ramo hoteleiro e tem uma espécie de personalidade modificada de Manic Pixie Dream Girl (ela pinta resumos que parecem parte da anatomia feminina). . A família de Ellie também é imigrante, mas eles vieram no Mayflower, e isso foi há muito, muito tempo. A mãe de Ellie, Tigger (Kim Cattrall), um senador, e o pai, Bill (David Rasche), um rico dono de clube de campo, convidam Sebastian para participar da reunião anual do Dia da Independência da família em sua cidade exclusiva. Quando Sebastian pede o anel ao pai, pop pressiona o filho a deixá-lo ir junto porque ele precisa examinar os novos sogros e porque não haveria filme se ele não o fizesse.

Você pode achar difícil aceitar que um cara que era supostamente um cabeleireiro muito procurado na década de 1980 ficaria nervoso ao colocar os pés na casa de uma pessoa rica, muito menos jantar em um clube de campo onde a pessoa mais rica automaticamente paga a conta e a troca de dinheiro é feita com uma assinatura em vez de dinheiro. Salvo também parece tenso e reacionário, embora a versão da vida real de um cara com seu passado tivesse feito linhas nas pias dos banheiros masculinos no Maxwell’s Plum durante o governo Reagan, enquanto Frankie Goes to Hollywood explodia nos alto-falantes. Há muito desse tipo de coisa: trabalhadores mundanos expressando alarme e consternação com o estilo de vida dos ricos e famosos e lamentando uns com os outros sobre a estranheza de, digamos, o irmão mais novo de Ellie, Doug (Brett Dier), com seu maconheiro New Age. comportamento e obsessão em aprender a tocar taças de som, ou seu irmão mais velho Lucky (Anders Collins), um idiota robusto, sorridente e fraterno que exala a autoridade natural do filho de um homem rico que sabe que eventualmente herdará uma fortuna, mesmo sendo um esquilo poderia vencê-lo em damas.

Similar Posts