Crítica e resumo do filme Love, Charlie (2022)

author
2 minutes, 24 seconds Read


Há um certo nível de dedicação que ajuda alguém a alcançar essa grandeza e status, e “Love, Charlie” permite que as partes mais desafiadoras de Trotter sejam feitas. Sua cozinha, por exemplo, era uma atmosfera intensa e cruel que se poderia dizer que é o curso para a indústria de restaurantes ou que não vale a pena romantizar (este documentário não faz isso). Muitas histórias são compartilhadas aqui sobre seu temperamento e volume ao castigar sua tripulação; até sua participação especial em “O Casamento do Meu Melhor Amigo” o mostra retratando uma versão de si mesmo em uma cozinha frenética, ameaçando matar a família de um funcionário se eles estragarem tudo. Era uma piada interna que vinha de um determinado lugar, por mais que pretendesse ser uma paródia.

“Love, Charlie” relata as várias conquistas de Trotter que impactaram a maneira como pensamos, olhamos e experimentamos a comida. Ele era considerado um pensador avançado quando se tratava de fornecer pratos mais vegetarianos; seus livros de culinária filmavam comida em close-up suntuoso, com Achatz chamando-a carinhosamente de “pornográfica”; ele colocou uma mesa especial no meio da cozinha para os clientes apreciarem o processo que envolveu seus alimentos.

A montagem editorial e a apresentação falante de “Love, Charlie” são um pouco secas demais para o meu gosto, lutando para construir um ritmo intrigante com a narrativa e-então-isso-aconteceu. Mas o poder emocional do filme se beneficia de seu extenso arquivo e de como ele o exibe. Através de inúmeras cartas e fotos, Trotter se sente uma presença ativa no filme, com Halpern cortando para closes de vez em quando de sua caligrafia minúscula, mas microscópica. Colecionados em grande parte por sua primeira esposa, esses diferentes artefatos permitem que ele seja o coro nesta releitura de sua história. Quando “Love, Charlie” atinge uma parte particularmente difícil de sua vida, depois que o restaurante fechou e o isolou de seu eu trabalhador, ele escreveu assustadoramente: “Se você passar por um período de reclusão, meu amigo, aproveite ao máximo. .”

“Com amor, Charlie” gira em torno da palavra “enigma” ao tentar vender Trotter aos telespectadores, sem abarcá-lo por inteiro. É um termo-chave, pois enigmas são mistérios, contradições. O documentário de Halpern se sai melhor quando seu tom consegue equilibrar a admiração sua conquista, mas também seja honesto sobre as pontes que queimou, os funcionários com quem aparentemente trabalhou duro ou o preço que suas próprias paixões cobraram dele. O filme de Halpern não tenta ter todas as respostas sobre Trotter, mas sim recuar e olhar para todas as peças juntas.

Agora em cartaz nos cinemas e disponível no Apple TV+ e Amazon.

Similar Posts