Crítica: Qualquer coisa com pulso, Park Theatre

author
3 minutes, 52 seconds Read



Talvez seja porque eu moro no sul de Londres que Finsbury Park pareça outro país. Deve ser por isso que não visitei o Park Theatre até agora, pois ele completa dez anos no ano que vem. Era uma noite chuvosa e cheguei completamente encharcado graças ao guarda-chuva mais inútil que já comprei, mas fui recebido com um sorriso literal no local estiloso e movimentado, que parecia estar em casa no West End. Tranquilizador para este novato do norte de Londres; até agora tudo bem. Nas próximas semanas, o Parque apresenta noites…

Avaliação



Excelente

Uma história inteligente e brilhante de um jovem casal separado pelas personalidades atrás das quais nos escondemos quando tentamos impressionar. Uma grande produção com performances picantes e uma trilha sonora fantástica para arrancar.

Talvez seja porque eu moro no sul de Londres que Finsbury Park pareça outro país. Deve ser por isso que não visitei o teatro do parque até agora, quando se aproxima do seu décimo aniversário no próximo ano. Era uma noite chuvosa e cheguei completamente encharcado graças ao guarda-chuva mais inútil que já comprei, mas fui recebido com um sorriso literal no local estiloso e movimentado, que parecia estar em casa no West End. Tranquilizador para este novato do norte de Londres; até agora tudo bem.

Nas próximas semanas, o Parque apresentará noites de shows duplos em suas Faça do meu um duplo estação. Qualquer coisa com um pulso, (que está tocando em conjunto com Pickle) começou esta noite e é um verdadeiro deleite. É habilmente montado e executado sem esforço, com personagens confortavelmente relacionáveis.

Um casal sem nome se encontra em um clube, virando-se para nós para monologar seus pensamentos sobre a música e trocar números. O resto seria, como dizem, história, não fosse o nervosismo em mostrar um ao outro seus verdadeiros sentimentos e desejos. Quanto mais eles tentam impressionar, mais distantes eles são empurrados. Escritor Eliana Ostro criou uma história que mostra a vulnerabilidade de jovens que querem conhecer uma outra pessoa autêntica, e não apenas uma persona de clube. Tudo parece um pouco familiar; o cara clichê idiota e sensível e a garota pateta com piadas ruins, mas é feito novo e enérgico por meio de uma escrita sutil e engraçada.

A entrega da história é onde está a emoção. A dupla sem nome, interpretada por Annie Davison e Rufus amor, têm química instantânea que torna seu encontro rápido e picante. Eles fazem piadas no timing perfeito e mostram uma sensibilidade que parece totalmente genuína. Se eu não os tivesse procurado, nunca teria pensado que eles estavam tão no início de suas carreiras, com Davison em particular apenas se formando na escola de teatro – bravo, excelente trabalho. Eles também fazem um ótimo trabalho retratando seus amigos caricatos no clube, o que traz um nível extra de humor e risos.

Os dois são apoiados por uma iluminação sutil, mas muito eficaz, do Lighting Designer Laurel Marks que nos ajuda a situar a ação e lhe dá energia real. Isso fica ao lado de algumas opções de músicas verdadeiramente excelentes do Sound Designer Temi Olugbengacom destaque para ‘Mr Brightside’ do The Killers.

Qualquer coisa com um pulso é uma performance muito bem montada, cheia de expectativa, desejo e vida. É um conto familiar bem observado e encenado com alegria.


Roteirista e Diretora: Eliana Ostro
Assistente de Direção: Tara Ahmed
Cenografia por: Suzanne Emerson
Design de iluminação por: Laurel Marks
Design de som por: Temi Olugbenga
Produzido por: Wonky Burro

Anything With A Pulse toca no Park Theatre até 26 de novembro de 2022. Faz parte da temporada Make Mine A Double, tocando todas as noites com Pickle (resenha aqui). Os ingressos podem ser adquiridos para shows individuais ou como uma conta dupla a um preço com desconto. Mais informações e reservas aqui.



Similar Posts