Os 10 melhores álbuns de EDM de 2022

author
6 minutes, 32 seconds Read


Em sua essência, a música é uma experiência subjetiva. Mesmo o músico mais proficiente tecnicamente pode preferir fazer rock matemático, e algumas pessoas não gostam disso. Às vezes, sons fortemente distorcidos e melodias discordantes podem atrair o apelo de massa. Reduzir todos os álbuns lançados para o top 10 é um exercício puramente subjetivo.

No entanto, existem alguns fatores a serem levados em consideração ao distribuir uma classificação para empreendimentos criativos. O artista evolui em seu próprio som? Existe algo novo e excitante para notar na produção, escrita, arranjo, etc.? Isso força limites de alguma forma, seja em detrimento do próprio artista ou da progressão de um gênero? Ou esse escritor simplesmente repetiu o álbum por muito tempo? (Veja, lá vamos nós sermos subjetivos novamente.)

Ao criar a lista este ano, buscamos ir além dos limites específicos de gênero. Muito poucos dos álbuns seriam considerados estritamente dubstep, ou estritamente house, ou estritamente drum & bass. Esses dez artistas visitaram fora de suas zonas de conforto ou criaram paisagens sonoras totalmente novas para seus projetos, alguns podem simplesmente ter melhorado sucessos anteriores. Cada um deles criou uma experiência auditiva digna de notoriedade e reconhecimento este ano.

1. Grabbitz – O tempo não é real

[Grabbitz’] A própria história musical e o amor pelo rock influenciaram fortemente suas produções e nos levaram a seu novo lançamento, O tempo não é real. Superficialmente, o título do álbum por si só é uma homenagem aos últimos dois anos, quando estávamos todos presos dentro de casa e os dias se misturavam. Sob a superfície, pode ser uma referência à grande variedade de compassos no álbum que mantém os ouvintes em dúvida do início ao fim.

O único fio comum entre cada música é, quase desnecessário dizer, Grabbitz. Mas isso não se refere à pessoa, mas à marca e ao tema que essa pessoa estabeleceu. Bateria forte, riffs de guitarra corajosos, vocais incríveis e uma apreciação irreverente por suas raízes, a experiência do álbum “Grabbitz” é realmente diferente de qualquer outra coisa na música eletrônica.

2. i_o, Lights – Warehouse Summer

Warehouse Summer, como o nome indica, combina duas ideias: dançar em um armazém escuro tarde da noite, mas também a luz do sol e a esperança dos meses de verão. Embora i_o fosse conhecido por seu techno, sua história como artista de drum & bass também brilha no álbum, como em “Leave It” e “Prayers”. Elementos de house progressivo também permeiam o álbum, demonstrando a força de i_o não apenas como produtor de techno, mas como produtor musical.

3. Favor da festa – REINICIAR

RESET parece ter sido nomeado intencionalmente, já que PF há muito foi relegado ao trap e ao som de festa que iniciou sua carreira. Considerando a onipresença de algumas de suas primeiras canções como “Bap U” ou “Wiggle Wop”, para não mencionar o próprio nome do artista, não é totalmente surpreendente que os fãs tenham se inclinado dessa maneira. Mas ele trabalhou duro durante a pandemia, lançando THE ISOLATION ALBUM em 2020, uma coleção de produções experimentais e mais atenuadas.

Agora, ele está pronto para uma reinicialização completa e não podemos parar de ouvir. Os singles lançados anteriormente “Save Me”, “Superhuman”, “I See You” e “Losing My Mind” foram capazes de revelar um escopo significativo, mas limitado, da experiência do álbum completo. O projeto completo é muito bem elaborado e funciona como uma história completa.

4. IMANU – Desdobrar

Para o álbum de estreia de IMANU, que anteriormente lançou drum & bass sob o nome de Signal, instrumentação lúdica e design de som criativo são os nomes do jogo. Desde a icônica faixa de abertura com Kučka, até colaborações com DROELOE, The Caracal Project, Wingtip & What So Not, Louis Futon, Zonderling, Pham e josh pan, e muito mais, cada faixa é um mergulho em algo incrível.

5. ODESZA – O Último Adeus

No álbum, a banda comenta: “5 anos depois e estamos aqui: ‘The Last Goodbye’. É um álbum centrado no poder da conexão. Ao escrevê-lo, começamos a perceber o quão impactados e inspirados somos pelas pessoas ao nosso redor. Como transmitimos pedaços de nós mesmos aos outros e carregamos essa influência conosco adiante – que ecoamos uns nos outros. Foi uma consciência que não tínhamos compreendido totalmente e, ao apreciá-la, queríamos que este projeto honrasse nossos entes queridos e nosso senso de comunidade. ‘The Last Goodbye’ é sobre voltar um para o outro em comemoração. É para ser um disco compartilhado: esperamos que os ouvintes possam experimentar juntos, com amigos, dançando e se regozijando nesse sentimento de interconexão depois de tanto tempo separados.”

6. Culpado – ‘Número Quatro’

Enquanto artistas como Flume, Tipper, G Jones e outros são frequentemente elogiados por seu design de som único, Culprate não recebe tanto crédito. Nos últimos 10 anos, o artista do Reino Unido tem deslumbrado com corpos criativos de trabalho, enquanto também trabalha com nomes como Modestep, Mefjus, Mr. Bill e muito mais, e até mesmo remixando o próprio Skrillex. Seu álbum de 2022 ‘Number Four’ (traduzido do grego original) é outro exemplo de ultrapassar os limites, um doce inimitável para usuários de fones de ouvido e audiófilos.

7. Moore Kismet – UNIVERSO

O álbum está em algum estado há pelo menos esse tempo, com o primeiro single, “Rumor”, lançado há mais de um ano. Com o crescimento exponencial da carreira de Moore Kismet, fãs de quase todos os níveis puderam crescer e ver o processo se desenrolar com eles ao longo do tempo, algo que raramente acontece de forma tão onipresente.

8. Sombras – De uma Veia

Quando Alix Perez e Eprom se unem para qualquer coisa relacionada a Shades, é necessário que você se levante e preste atenção. Eprom, produtor talentoso por mérito próprio e contemporâneo de G Jones, e Alix Perez, mago do drum & bass, deram o pontapé inicial em 2015 com seu primeiro EP autointitulado, Shades. Agora, sete anos depois, eles estão em seu segundo álbum e nunca soaram tão sincronizados.

Combinar seus talentos, em termos de gêneros que produzem de forma independente, não é uma tarefa tão complicada. Mas a maneira como eles jogam com os pontos fortes uns dos outros e encontram algo novo é inspiradora.

9. O que não é – Anomalia

Sem exageros, Anomaly é o melhor trabalho de WSN até hoje (e ele concorda). Embora o projeto abranja apenas 11 músicas e 34 minutos, nunca parece que está acelerando e correndo para o fim. Muito pelo contrário, na verdade, já que não há um segundo de espaço para recuperar o fôlego à medida que cada faixa avança poderosamente, construindo a história.

10. Crywolf – exuvium [OBLIVION Pt. 2]

Desde o início do projeto Crywolf, a música sempre expressou elementos de introspecção e autodescoberta. Por meio das próprias batalhas do artista com a saúde mental, as experiências e lições aprendidas ao longo de sua jornada foram exibidas na frente e no centro da música. Além de ser um músico extremamente talentoso por mérito próprio, o fundo também dá à música uma sensação extremamente visceral e familiar.

Esse motivo não é mais saliente do que seu último álbum, exuvium [OBLIVION Pt. II], criado após um período de intensa turbulência. A dor e a tristeza na música são quase tangíveis, as poderosas melodias e letras fervendo pelos alto-falantes com intensa fúria.

Similar Posts