Resenha: Kin, Lion and Unicorn Theatre

author
3 minutes, 59 seconds Read



Kin se concentra em duas irmãs reunidas pela morte iminente de seu pai. As irmãs, Sarah (Priti Colbeck) e Lily (Matsume Kai) têm perspectivas e abordagens de vida muito diferentes. Sarah é motivada pela carreira, usando seu trabalho e agenda lotada para explicar sua falta de compromisso com qualquer forma de relacionamento. Lily, por outro lado, é obrigada por dever e responsabilidade, cuidando de sua própria família e de seu pai essencialmente distante, apesar dos erros que ele cometeu no passado. Ao longo de seus 70 minutos de duração, o escritor (Max Dickins) e o diretor (David Fairs) são capazes de tecer um significativo…

Avaliação



Bom

Um confronto apaixonadamente acalorado entre duas irmãs que mostra de forma brilhante como os ressentimentos enterrados, feios e explosivos, podem se intensificar com o tempo.

Parente centra-se em duas irmãs reunidas pela morte iminente de seu pai. As irmãs, Sarah (Priti Colbeck) e Lírio (Matsume Kai) têm perspectivas e abordagens de vida muito diferentes. Sarah é motivada pela carreira, usando seu trabalho e agenda lotada para explicar sua falta de compromisso com qualquer forma de relacionamento. Lily, por outro lado, é obrigada por dever e responsabilidade, cuidando de sua própria família e de seu pai essencialmente distante, apesar dos erros que ele cometeu no passado.

Ao longo de seus 70 minutos de duração, o escritor (Max Dickins) e diretor (feiras de David) são capazes de tecer uma quantidade significativa de material, concentrando-se nas interações de apenas dois personagens, explorando seu passado e ressentimentos enterrados em profundidade. A janela do apartamento, onde toda a peça é encenada, é retratada por desenhos a giz de uma janela em um quadro-negro. As alternâncias entre conversas calmas e indiferentes e jogos de gritos são habilmente interceptados por Lily apagando o desenho do sol para substituí-lo pela lua, ou vice-versa, no quadro-negro, enquanto o uso de música de fundo para refletir a passagem de o tempo proporciona uma transição natural e realista entre as emoções. Embora esteja claro que ambas as irmãs guardaram sentimentos e raivas uma da outra, também há indícios de brincadeira e um desejo de se reconectar, relembrando experiências mais alegres da infância. Essa constante ida e volta entre raiva e alegria é habilmente usada para levar a história adiante.

É mencionado repetidamente que Lily, apesar de sua aparente falta de sucesso na carreira, é a esperta da família. No entanto, é Sarah quem usa frases supercomplicadas, que às vezes parecem ter sido memorizadas e arrancadas de um romance clássico. Usado com moderação e de maneira direcionada, isso pode mostrar o desejo de Sarah de demonstrar sua superioridade sobre a irmã. Embora essa possa ter sido a intenção, esse elemento não é suficientemente articulado, deixando-o parecendo usado demais. Em seguida, confunde a linha sobre se Sarah elaborou deliberadamente suas respostas por causa de suas inseguranças ou se esse é simplesmente seu padrão de fala normal, embora não natural.

Embora as irmãs sejam reconectadas por seu pai doente, ele não aparece fisicamente. Seus murmúrios não coesos podem ser ouvidos pelo monitor do bebê, ocasionalmente interrompendo as brigas das irmãs. No entanto, embora adicione um certo nível de alívio cômico e de tensão, não parece necessário para a progressão da história. Na conclusão, Lily reflete sobre os momentos felizes que ela compartilhou com sua irmã, reproduzindo imagens de um projetor de rolo de filme antigo. Embora isso possa ser impactante, a projeção é muito pequena e a qualidade muito baixa para que o público aprecie os detalhes do que é mostrado.

Deixando essas questões de lado, Kin é bem elaborado e realista, mostrando a tensão do confronto entre duas irmãs enquanto elas se enfrentam durante seu curto reencontro. Demonstra que, às vezes, a passagem do tempo não dilui os ressentimentos, mas pode intensificar as emoções.


Escrito por: Max Dickins
Direção: David Fairs
Produzido por: Kean Street Productions

Kin se apresenta no Lion and Unicorn Theatre até 19 de novembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



Similar Posts