Resenha: O Crítico, Livraria Calder e Teatro

author
3 minutes, 56 seconds Read



É muito fácil passar pela Livraria Calder e não perceber que há um teatro escondido nos fundos. Falo com alguma autoridade, já o fiz tantas e tantas vezes. Mas se você conseguir se afastar das prateleiras abarrotadas de livros, encontrará escondido um espaço de teatro pequeno, mas perfeitamente formado. Com apenas 32 lugares, oferece boas vistas do palco a toda a volta. Nesta ocasião, o palco é uma residência com uma escrivaninha, um par de cadeiras, vinho e uma estante. Os livros são uma coleção interessante; Eu não poderia…

Avaliação



Bom

Uma divertida comédia de humor negro de duas mãos sobre o abuso de poder na forma de críticas teatrais deliberadamente contundentes, com algumas possíveis consequências e repercussões.

É muito fácil passar pelo Livraria Calder e não perceber que há um teatro escondido na parte de trás. Falo com alguma autoridade, já o fiz tantas e tantas vezes. Mas se você conseguir se afastar das prateleiras abarrotadas de livros, encontrará escondido um espaço de teatro pequeno, mas perfeitamente formado. Com apenas 32 lugares, oferece boas vistas do palco a toda a volta.

Nesta ocasião, o palco é uma residência com uma escrivaninha, um par de cadeiras, vinho e uma estante. Os livros são uma coleção interessante; Não consegui ler todos os títulos, mas a biografia de Margaret Thatcher dá uma pista sobre a política de um dos personagens. Entra Hugo (Gary garça) – um crítico de teatro presunçoso e presunçoso e esnobe do vinho, que está prestes a entrar na arena política. Aprendemos um pouco sobre ele por meio de algumas conversas telefônicas e suas reflexões gerais. A segunda pessoa a entrar no palco é Alex (gema Pantaleão), não o visitante que Hugh esperava. Em vez disso, é alguém que parece ter a intenção de se vingar de algo que Hugh fez no passado, embora não tenha ideia disso, embora seja bastante óbvio para todos os outros.

Heron faz um excelente trabalho ao retratar o pomposo Hugh, completamente desprovido de autoconsciência. Ele faz isso um pouco bem demais, na verdade. Não acreditei nas mudanças no personagem de Hugh, onde ele aparentemente se torna arrependido e mais empático. Talvez não devêssemos, mas se for esse o caso, é necessário algum tipo de declaração final mostrando que ele é exatamente a mesma pessoa. Também gostei de assistir Pantaleo como a bastante frenética Alex, especialmente depois que ela relaxou na performance, embora mesmo assim parecesse haver alguns deslizes em que ela não usou a palavra correta, deixando-me com uma espécie de duplo mental fugaz. -leva.

Descrito como uma comédia de humor negro, é bem-humorado, resultando em algumas risadas e gargalhadas. Em outros momentos, o diálogo merece uma reação do público, mas não consegue por algum motivo. Problemas de tempo, possivelmente? Falando em tempo, a entrega geralmente era um pouco apressada e muitas pausas perceptíveis que eram um pouco longas demais; como se o elenco estivesse esperando por um prompt em vez de um efeito dramático ou cômico. A coisa toda também é um pouco longa demais e poderia ser feita com algumas seleções de partes desnecessárias, talvez mantendo-a em apenas um ato e eliminando o intervalo intrusivo. Por exemplo, quem diabos é a pessoa aleatória dirigindo um carro na Escócia e por que precisamos ouvir sobre isso com tanta frequência? É muita ação para um palco tão pequeno, mas bem orquestrado para evitar choques ou contratempos com adereços. As fantasias também merecem destaque, principalmente o quimono de Hugh – escolha perfeita.

Apesar da duração e do final decepcionantemente twee, The Critic ainda é um par de horas agradáveis ​​e divertidas neste pequeno teatro delicioso e bem escondido.


Escrito por: John Hill
Direção: Sally Ripley
Design e figurino: Jay Hobson

The Critic em cartaz na Livraria e Teatro Calder até 10 de dezembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



Similar Posts