Resenha: Projeto Atom Boi, VAULT Festival

author
3 minutes, 52 seconds Read



Desde o momento de entrar no local do Projeto Atom Boi, o espectador é colocado sob vigilância e, assim, alienado. Atuando como uma jovem cineasta, Francesca Marcolina tem uma câmera de telefone na mão e imita as filmagens do público. A atmosfera geral é estranha, mas intrigante, com a escuridão fria dos Vaults combinando com o desconforto de ser observado. No palco há uma tela convidando o público a participar da produção pegando um quadro branco; essa forma de interatividade entrega agência aos espectadores e elimina com sucesso o constrangimento familiar do voluntariado. A produção…

Avaliação



Bom

Uma performance inovadora que olha para a vida crescendo em uma cidade nuclear chinesa.

Desde o momento de entrar no local em Projeto Atom Boi, o espectador é colocado sob vigilância e, assim, alienado. Atuando como um jovem cineasta, Francesca Marcolina tem uma câmera de telefone na mão e imita as filmagens do público. A atmosfera geral é estranha, mas intrigante, com a escuridão fria dos Vaults combinando com o desconforto de ser observado. No palco há uma tela convidando o público a participar da produção pegando um quadro branco; essa forma de interatividade entrega agência aos espectadores e elimina com sucesso o constrangimento familiar do voluntariado.

A produção abre com imagens da câmera do telefone acima mencionadas sendo reproduzidas em tempo real na tela. A premissa é que os artistas estão produzindo um documentário sobre Yuanzi (Xiaonan Wang) cresceu na cidade chinesa de Factory 404, uma comunidade inteira dedicada a hospedar armas nucleares. É um olhar intrigante para um conjunto incomum de circunstâncias e levanta temas difíceis, como o papel da propaganda dentro da família. Há momentos de muita diversão: os destaques para mim incluíram a transformação de um traje de proteção em um dinossauro e o uso de uma pequena luz em movimento dentro do traje para representar a radioatividade.

O movimento no tempo é um tema recorrente da produção, e esse conceito cerebral é condensado com notável suavidade, contrapondo a ciência futurista com o fascínio pelo passado. O conceito de tempo na linguagem é contrastado entre o inglês e o chinês, levantando como o futuro pode ser visto como um retrocesso. A capacidade do show de traduzir conceitos abstratos em uma performance amigável ao público é um triunfo. Por meio de quadros brancos e projeção na tela, o público faz parte de um jogo de Pictionary, apresentando avisos como “União Soviética”, “Leucemia” e “Doom” para inaugurar novas cenas. O uso de adereços e tecnologia nesta produção é inspirado, dando um caráter impressionante e tátil à performance, por exemplo, empregando a exposição de close-up nos rostos dos atores.

Projeto Atom Boi sente-se assombrado por uma sensação de perda e solidão; isso é enfatizado por meio de referências à morte e condenação, refletindo o pavor existencial da era pós-revolucionária. Uma questão persistente nesta produção é por quem a história é contada: ela se estende entre Yuanzi e um aspirante a cineasta. Esta é a história de um diretor sem direção na vida ou de um estudante de paleontologia chinês mergulhando em seu próprio passado? A narrativa parece, em geral, um pouco confusa. No entanto, os intérpretes de Conjunto não encontrado (Wang, Marcolina e Kelvin Chan) são um coletivo carismático e entregam com sucesso um espectro de emoções da comédia à tragédia.

Projeto Atom Boi confronta um assunto complicado que é pouco discutido no Reino Unido, e o faz com o uso de adereços maravilhosamente criativos. Esta produção vai além da caixa quando se trata de contar histórias, oferecendo uma performance multidimensional e cuidadosa.


Produzido por: Ensemble Not Found
Direção: He Zhang
Direção de movimento por: Ting-ning Wen

O Atom Project Boi faz parte do VAULT Festival 2023 até 29 de janeiro de 2023. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



Similar Posts