Revisão de Run Rabbit Run (Sundance)

author
2 minutes, 55 seconds Read


Run Rabbit Run carece de emoção, mas oferece à estrela Sarah Snook uma excelente vitrine neste thriller psicológico.

TRAMA: Uma mãe divorciada (Sarah Snook), se recuperando da recente morte de seu pai, começa a ter interações perturbadoras com sua filha, Mia (Lily LaTorre), que começou a ter acessos de raiva inexplicáveis.

REVEJA: Corre Coelho Corre é um thriller psicológico discreto que oferece à estrela Sarah Snook uma excelente vitrine. Já famosa por seu papel em Sucessão (e um ícone de culto para o subestimado Predestinação), Snook é habilmente escalado como Sarah, uma médica de fertilidade em meio a uma provação angustiante. Quando conhecemos sua personagem, Sarah, ela parece ter uma vida decente, apesar de sua decepção persistente com a desintegração de seu casamento com seu ex decente (Damon Herriman). Ela é civilizada com a nova família de seu ex e tem um relacionamento idílico com sua filha, Mia, a quem ela chama carinhosamente de Bunny. No entanto, coincidindo com a chegada de um coelho que entra em sua casa, Mia tem acessos de raiva estranhos. No início, seu comportamento é apenas irritante, usando uma máscara de coelho rosa o tempo todo, mas fica mais enervante. Ela começa a se referir a si mesma como Alice, que por acaso é o nome da irmã de Sarah, que desapareceu aos sete anos, a idade que Mia tem agora.

corra coelho corra revisão

Embora haja uma seleção da meia-noite aqui no Sundance, Corre Coelho Corre não é um filme de terror. É um mergulho profundo no trauma geracional, oferecendo a Snook um papel complicado e não totalmente inocente a desempenhar. Nós nunca sabemos realmente se Mia está realmente agindo da maneira que Sarah percebe ou se isso está ou não em sua cabeça e o resultado de algo mais profundo. É quase uma dupla para Snook e a jovem Lily LaTorre, que passam grandes partes do filme sozinhas. Observamos Sarah evoluir de uma mãe adorável para alguém que pode ser desequilibrado, com seu estado mental decadente não aparente para ninguém, exceto talvez para Mia.

LaTorre, enquanto jovem, é boa como Mia/Alice, com a diretora Daina Reid e Hannah Kent, deixando seu comportamento final ambíguo. Ela pode ser um diabinho possuído, mas também pode ser uma criança abusada nas mãos de sua mãe, e o que ela é ou não é deixado para nós decidirmos. Enquanto Snook e LaTorre dominam, Greta Sacchi também tem um bom papel como a mãe distante de Sarah, que sofre de demência e culpa a filha pelo desaparecimento de Alice. Damon Herriman tem um pequeno papel como o ex legal de Sarah, embora ele pareça um pouco ingênuo sobre o que está acontecendo com sua filha e ex-esposa até bem tarde no processo.

Reid também usa o isolamento do interior da Austrália com excelente efeito, com o último ato ocorrendo principalmente em uma casa remota no interior. É bem feito, com Reid um veterano de O conto da serva e As garotas brilhantes (a estrela Elisabeth Moss originalmente deveria fazer o papel de Snook). Embora a falta de elementos de gênero tradicionais possa afastar aqueles que esperam um filme de terror devido ao horário da meia-noite, Corre Coelho Correque acabou de ser adquirido pela Netflix, deve funcionar bem no streaming e é mais uma prova de como uma atriz talentosa Snook pode ser.

corra coelho corra revisão

7

Similar Posts