Revisão: Mistura de elementos em “Tempest” de Tavern cria tempestade menos que perfeita

author
5 minutes, 36 seconds Read


Embora seu elenco esteja comprometido com a estranheza do material, A tempestadeno palco da Shakespeare Tavern Playhouse até 27 de novembro, não tem muito da magia das melhores produções da Atlanta Shakespeare Company.

The Tavern é mais interessante hoje em dia, quando seus shows se baseiam em elenco inventivo e novas idéias, abraçando a diversidade e a natureza experimental de sua talentosa companhia de conjuntos. As produções deste verão de uma mulher só O mercador de Veneza e um todo preto As Obras Completas de William Shakespeare (Resumido) funcionou porque os elencos e a equipe estavam claramente se divertindo ao abordar o trabalho antigo de novos ângulos. Na primavera, a produção de A esposa do campo era raro, estridente e imundo, e seu elenco era de jogo. O entusiasmo deles em todos esses shows se espalhou para os membros da platéia, que sempre estão lá para se divertir.

Com A tempestade, as coisas estão mais confusas. Assim como os personagens perdidos após uma tempestade, os atores aqui se sentem um pouco desconectados uns dos outros, em vez de comprometidos com uma ideia central. As performances mais atraentes vêm de atores que interpretam personagens alinhados com a magia, mas os estilos de performance se chocam mesmo entre eles. Os personagens humanos normais, enquanto isso, aparecem como peões em um jogo. Parece que esse conjunto está tocando separadamente, e não juntos.

Existem elementos interessantes na encenação, no entanto. O figurino de Anne Carole Butler e Clint Horne é sólido, principalmente no que diz respeito à forma como vestem o feiticeiro Próspero, o espírito Ariel e o deformado Caliban. O naufrágio de abertura é um caos bem coreografado pela diretora Jaclyn Hofmann Faircloth e Kati Grace Brown, abrangendo todos os níveis do palco de várias camadas. A harpia, desenhada por Sarah Beth Hester, também é destaque. O design de iluminação de Greg Hanthorn Jr. é assustador durante todo o show, principalmente quando Caliban emerge de um poço no centro do palco.

A tempestade
Ariel (Amanda Lindsey McDonald) apela a Prospero por sua liberdade.

A história de A tempestadeno entanto, torna-se um pouco difícil de acompanhar, pois o público tem pouca ideia de quem são esses personagens antes de serem espalhados.

A peça começa como um grupo de nobres napolitanos, incluindo o rei, voltando de um casamento distante de navio. O amargo Próspero (Jeff Watkins), que já foi duque e agora exilado por 12 anos em uma ilha com sua filha Miranda (Jasmine Renee Ellis), usa livros mágicos e um espírito de fada Ariel (Amanda Lindsey McDonald) para conjurar uma tempestade que perturba o mundo. navio. Logo, o grupo de nobres – que inclui o irmão traiçoeiro de Próspero, Antonio (Mary Ruth Ralston) – é separado e preso na estranha e encantada ilha.

O filho do rei, Ferdinand (Daryel T. Monson) é atraído por Ariel para a casa de Próspero, onde se apaixona imediatamente por Miranda.

Enquanto isso, Ariel e um monstruoso Caliban (Justin Walker), filho de uma bruxa presa em uma rocha por atacar Miranda uma vez, são escravizados por Próspero e fazem seu lance na tentativa de recuperar sua liberdade. Ambos interagem com os nobres errantes na tentativa de encantá-los e enganá-los.

Os objetivos de Próspero parecem ser a vingança contra aqueles que tentaram destruí-lo, mas ele não deixa de ter simpatia. No entanto, ainda não está claro qual impulso o guiará.

É tudo muito estranho. E tem sido desde que William Shakespeare o escreveu pela primeira vez no século XVII.

Como Próspero, Watkins domina bem a linguagem, entregando suas falas com rapidez e sagacidade. Watkins é melhor quando o personagem adere a impulsos mais sombrios, pois ele interpreta muito bem os elementos de um mentor desonesto. Suas palavras são cortantes, levando outros artistas a apelar para ele por calor e simpatia. É uma dinâmica interessante. E a entrega do monólogo final de Watkins termina a peça com uma nota alta.

Ellis, que estrelou Lizzie com Actors Express neste verão, é excelente mais uma vez. Sua Miranda é calorosa e adorável, e Ellis joga os desejos do personagem para muitas risadas. Suas cenas com Monson são românticas e atraentes.

A tempestade
O náufrago Trínculo (O’Neil Delapenha, à esquerda) e Stephano (Cory Phelps) encontram o deformado Caliban (Justin Walker).

Antonio de Ralston tem tempo de palco limitado, mas o artista dá ao personagem um ar de traição sinistra, roubando as cenas em que estão.

O Caliban de Walker é uma fera estranha, de fato. O ator está curvado, falando com voz tensa, lutando enquanto se move. E, no entanto, há uma tristeza trágica no coração do retrato, um desejo de conexão. Quando o personagem ri em busca de ar, tentando se relacionar com outros personagens, o efeito é muito engraçado. É um bom trabalho.

E McDonald faz um ótimo trabalho como Ariel. Quando o personagem voa sem palavras na cena de abertura para provocar o naufrágio, o personagem chama a atenção. Quando Ariel implora por liberdade, não confiando inteiramente em Prospero, McDonald transmite o desespero de forma aguda. Sua busca pela liberdade torna-se a narrativa condutora da peça.

Mas como um grupo, tanto dentro da peça quanto como um conjunto aqui, eles estão todos em páginas diferentes. Faircloth se destaca mais nos elementos gigantes do palco do que em tornar claras as relações e a dinâmica entre os artistas.

O show resultante é um saco misto.

::

Benjamin Carr, membro da American Theatre Critics Association, é jornalista e crítico de artes que contribuiu para ArtsATL desde 2019. Suas peças são produzidas no The Vineyard Theatre em Manhattan, como parte do Samuel French Off-Off Broadway Short Play Festival e do Center for Puppetry Arts. Seu romance Impactado foi publicado pela The Story Plant em 2021.



Similar Posts