Histórias femininas do Kosovo: como duas peças retratam a solidão das mulheres dos Bálcãs

Na superfície, Burnesha não é tão escuro quanto Apito. É um truísmo que em muitas das obras de Neziraj, há sempre alguma redenção ambígua semi-oculta (mesmo O Projeto Handke tem isso) – e esta peça não é exceção. Algum fator redentor permite que as “vítimas” das histórias (eu uso o termo vagamente) reivindiquem algum controle. […]